sábado, 31 de outubro de 2020


Entre 1º de janeiro e 25 de outubro deste ano, o Poder Judiciário potiguar produziu mais de um milhão de atos processuais, entre sentenças, decisões e despachos. No período, foram registradas 229.878 sentenças, 236.161 decisões e 566.346 despachos, totalizando 1.032.385 atos processuais proferidos pela Justiça no Rio Grande do Norte. Vale lembrar que 75,47% desses atos judiciários foram produzidos durante o período da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), ressaltando a importância da adoção de novas tecnologias e forte atuação da área de informática para manter a Justiça atuante. O presidente do Tribunal de Justiça do RN (TJRN), desembargador João Rebouças, ao comentar os dados e números, faz questão de ressaltar que apesar da pandemia, magistrados e servidores não só continuaram produzindo, mas foram capazes de se reinventar e elevar as estatísticas. “Mantivemos o compromisso de julgar o máximo possível, cumprindo com satisfação nosso dever de servidores públicos”, pontuou. Ao longo do ano, o número de casos novos recebidos foi de 205.791, enquanto o número de processos baixados (arquivados em definitivo) chega a 313.411 casos. Na comparação entre o número de ações recebidas versus as encerradas, a produtividade do Judiciário potiguar chega a 152,29%. Pode-se deduzir a partir desse dado que a cada processo recebido, 1,52 foi julgado. “Neste ponto, entra decisivamente, o trabalho da nossa equipe de Gestão Estratégica ao apoiar a atuação de juízes e servidores na capital e no interior, solucionando demandas, orientando, ouvindo e encontrando caminhos para aumentar a produtividade”, salienta João Rebouças

.

Top

Usuarios Online